quinta-feira, 23 de maio de 2013

Outra conversa de bar



"Hey!"

"Aah! Oi! Cacete, que saudade!"

"Muita! Tudo bem com você? Espera, mais um pouco."

"Tá. Tá tudo certinho."

"Trabalhando muito?"

"Pra caralho. Você?"

"Muito menos. Ganhando muito menos, também."

"Ok, ok, não precisa implorar, eu pago a cerveja."

"Não é isso, idiota."

"Não reclama."

"E a vida?"

"Tá ok. Vamos sentar ali."

"Continua escrevendo?"

"Parei."

"Por quê?!"

"Ninguém lia."

"Você publicou alguma coisa em algum lugar?"

"Não."

"Então não tinha como ninguém ler."

"Não é assim que funciona."

"É assim."

"Você nunca escreveu nada, não tem como saber."

"Até onde o mundo sabe, eu escrevi tanto quanto você."

"Me deixa. Voltou pra ficar?"

"Talvez. Oi, garçom, uma... uma o quê?"

"Heineken."

"Uma Heineken, por favor. Dois copos."

"Como é que-"

"Então! E as namoradas?"

"Hã!?"

"As namoradas."

"Você passa um ano longe e vira minha avó, é isso?"

"Cala a boca."

"'E as namoradas?' Meu deus."

"Vai se foder. Tem alguém?"

"Mais ou menos."

"Como assim?"

"Tem, mas não tem."

"Esse é só outro jeito de dizer mais ou menos. Bonita?"

"Linda."

"Legal?"

"Muito."

"Que mais?"

"Que mais o quê?"

"Isso de ser monossilábico não é legal, já te avisaram?"

"Ah, é?"

"É."

"Hm."

"Vai se foder! Que mais?"

"Tá. Ok. Ela é daquele tipo que você quer tanto que chega a ser ruim, e mesmo assim não se arrepende nem por um minuto."

"Uau!"

"É, tudo isso."

"Uau mesmo. Mas espera. Isso foi muito bom pra sair da sua cabeça."

"Ué, até agora pouco eu tinha que continuar escrevendo..."

"Você não escreve assim. De onde é?"

"Você não sabe?"

"Não."

"Então não sou eu que vou te contar."

"Babaca. De onde é?"

"Eu que disse. Eu que escrevi."

"Não foi. Eu não sei quem foi, mas sei que não foi você."

"Problema seu."

"E o que tá rolando?"

"Onde?"

"Com a moça, porra!"

"Ah. Não muito."

"Não muito?"

"É. Nada demais."

"Nada demais?"

"É. Nada demais. Não muito. Sei lá. Eu fico lá gostando dela, tentando não falar demais, ou pelo menos não falar besteira."

"E ela?"

"Ela... ela ainda não foi embora."

"Hm. E se ela fo-"

"Quando."

"Quando o quê?"

"Quando ela for embora."

"Por quê?"

"Elas sempre vão embora. Vocês sempre vão embora."

"Eu nunca fui embora!"

"Você!? Você é a campeã de ir embora!"

"Não sou!"

"Você sempre vai embora!"

"Não! Eu nunc-... calma, você tá querendo dizer alguma coisa com isso?"

"Eu só quero dizer o que eu disse."

"Espera. Você gostava de mim, assim, de outro jeito?"

"Não!"

"Não acredito que você era apaixonado por mim! Por que nunca disse nada?"

"Eu nunca disse nada porque isso só existe na sua cabeça. Desde agora."

"Você me ama! Ganhei meu dia."

"Não. E você só acabou de ganhar metade da conta."


Tyler Bazz

2 comentários:

Bianca Machado disse...

HHAHHA adorei. Parecia que seria aquele cliche e al voce mudou tudo pra ficar incrivel :)

littlemarininha disse...

Você ama a menina sim, vá! hahaha
:P
Adorei!