domingo, 24 de fevereiro de 2013

Uma festa pro Oscar, porque ainda pode

Vamos dar uma festa pra ver o Oscar. Sério. Vamos juntar muita gente legal, bonita e talentosa, essas pessoas que -ainda- não são celebridades por pura injustiça da vida, e gente mais comum também, que não é só de estrelas que vive qualquer Hollywood. Marcamos na casa de alguém que tenha uma tv bem grande e torcemos para ter também uma sala ou um corredor espaçoso, porque vamos fazer nosso próprio red carpet (antes do original, claro, não queremos perder nada), vestindo o que temos de mais estiloso no guarda-roupa e nos sentindo Downey Jrs. A gente até deixa passar a roupa daquele menino mala, que ele não tem coragem de usar normalmente e agora quer tirar trezentas fotos pra colocar na internet.

Quando começar a transmissão, seremos experimentados comentaristas de moda. Quem merecer vai ser elogiado, mas não vamos pegar leve com ninguém, e não interessa se a atriz até que é bonitinha e tem talento, não vai ter perdão para um corte de cabelo que custou um mês do meu aluguel e só não é o maior desastre da noite porque ela usa um vestido que parece ter sido feito por freiras cegas, que não sabiam o que estavam fazendo. Vamos ter um cara pra comentar a falta de talento ou a homossexualidade dos atores bonitos e uma moça que vai passar a noite toda sem comer e achar todas as atrizes "magras demais, não acho bonito." A gente é assim.

Mas é na hora da distribuição de estatuetas que nosso show começa. Depois de falar muito, muito mal da dublagem, vamos ligar o SAP e entender só metade de tudo. Alguém vai desligar a função durante um dos primeiros comerciais e ninguém vai reclamar. Então vamos resenhar os indicados, as performances, as injustiças e tudo mais, irritando aquela moça estudante de jornalismo que de vez em quando sai com a gente e acha que só ela é uma profissional habilitada a ter opinião. Vamos usar o tempo das categorias técnicas pra fazer piada e declamar nossos próprios discursos de agradecimento. Vamos tentar fingir que conhecemos algum dos documentários concorrentes, ou desistir de vez e na hora desse prêmio falar sobre aquele documentário que alguém viu há anos, que na verdade era só uma reportagem grande. Vai ser demais, sério! O que eu mais quero é que tenha alguma americana conhecida na festa, pra poder dizer que a atuação ou direção de alguém no filme "exquisite", porque, ah, porque sim!

Talvez esteja um pouco em cima da hora, mas nesse domingo à noite todo mundo vai assistir o Oscar, por que não assistirmos juntos? E sem encheção de saco! Porque a gente não pode mandar flores no 14 de fevereiro, nem se fantasiar no Halloween, mas os Grandes Chatos do Brasil parecem não ter nada contra o Oscar. E enquanto a paunocuzice não atinge a cerimônia da Academia, eu proponho festa pra aproveitar.


Tyler Bazz

Nenhum comentário: