segunda-feira, 11 de junho de 2012

Só pra você saber

Eu sei.

Eu sei também como é o desenho das suas pernas, o jeito que elas ficam quando você dobra os joelhos, se encolhendo no sofá, ou quando anda. Não é por saber onde você sente mais cócegas que eu sei, nem porque eu conheço sua pele e sei onde ela é mais macia, onde ficam as cicatrizes, onde seu cheiro é mais forte; nem porque eu sei mais ou menos quais são os esmaltes que você passa nas mãos quando sabe que vai ficar em casa, só pra passar o tempo.

Mesmo depois de muito tempo sem conversar com você, sua voz ainda é clara na minha cabeça, e às vezes me acorda no meio da noite, com seu jeito de falar, com as letras que você alonga daquele jeito que você faz. Eu sei. E eu sei o que você faz comigo. Que se me perguntam por acaso quanto eu peso, a resposta depende mais de você do que de mim - às vezes, por sua causa, eu estou leve, quase flutuando, outras, mais pesado que a vida. Pelo seu cheiro eu tenho a sensação de que o meu lugar no mundo é em você, entre seu pescoço e seu ombro, no lado que você escolher. É só assim que eu me sinto bem: do seu lado. E fico te olhando escondido quando vamos ao cinema, ou paramos numa esquina esperando o sinal ficar verde, tentando pegar pelo canto dos olhos um sorriso seu, desses tão lindos, que não precisa ser pra mim, mas que seja seu, porque eu sei que quando você sorri tudo me fica mais simples, mais lógico. Tudo ganha mais sentido.

Não é por isso que eu sei, mas sempre que te vi chorar, eu senti um pouco qual é a sensação de estar perdendo a vida; só pode ser isso, porque não conheço outra coisa tão ruim de sentir. Parecia uma bomba de agulhas explodindo dentro de mim, rasgando as minhas veias, ou um prédio me esmagando, devagar, com cuidado para não perder nada. E em todas as vezes eu me senti meio culpado. Como era possível ter algo certo na minha vida se a sua não estava boa por inteiro? Eu queria trocar. Abrir mão de qualquer alegria minha pra acabar com a sua tristeza, mas eu nunca pude oferecer muito mais que os meus carinhos e abraços, e só. Eu sei que isso sempre me matou, mas esse nunca foi o motivo para eu saber.

Eu sei assim, sabendo. Sem precisar de motivos, explicações, argumentos, prós e contras. Na primeira vez que te vi, eu soube, e eu continuo sabendo. Simples. Eu sei porque eu sei.


Tyler Bazz

4 comentários:

littlemarininha disse...

Poxa vida, que lindo isso! E que dolorido também...

Mari disse...

pqp. tem umas frases aí nesse texto que não vou esquecer tão cedo. lindo demais, e forte demais também. não sei se é consolo, mas vc consegue manipular sua dor da maneira mais linda possível.

Jullia A. disse...

é incrível como a gente sabe. Enão há nada que possa ser feito a respeito.

Bonaldi disse...

Sensacional, Tyler, como sempre.