segunda-feira, 4 de junho de 2012

Mais um adeus

“Bom, meu velho companheiro, acho que chegou mesmo a hora de a gente se despedir. Você sabe melhor que eu o quanto eu tenho tentado adiar esse momento, mas dessa vez parece não ter mais jeito. Não temos como escapar. Você, a sua situação... acho que você já não aguenta mais.

“Foram muitos os bons momentos... Lembra daquela vez em que nós passamos um trote no time de basquete da outra escola, no campeonato da cidade? Foi lindo. E depois, com aqueles oito gigantes atrás da gente, eu pensei que não ia conseguir, mas você estava lá, junto comigo, e você sempre foi tão bom em corridas. Correr, pular, dançar, só andar à toa por aí, ou ficar largado com as penas pra cima. Nunca teve nada que você não encarasse.

“Aliás, você sempre foi tão bom, que eu sinto que te devo um pedido de desculpas. Eu sei que nem sempre fui um grande amigo, que já te deixei de lado em ocasiões importantes, que já disse em alto e bom som que você estava me matando, entre outras coisas das quais eu não me orgulho. Mas a maioria dessas coisas foi dita da boca pra fora, tentando concordar com alguém, ou fazendo algo para impressionar. Teve aquele acidente com a garrafa de vinho, achei que ali você já era, mas você suportou legal. Se bobear ainda consigo sentir o cheiro doce da bebida. Desculpa pelo descuido, desculpa por qualquer coisa.

“Dói mais em mim do que em você, juro. Se dependesse de mim, a gente não se separaria nunca. Ainda tem tanta coisa que eu quero ver, tanto lugar que eu quero visitar; fazer esportes, criar estilos e novos passos. Queria você comigo nisso tudo, não vai ser a mesma coisa sem você...

“Quer saber? Acho que a gente pode dar mais uma volta. Uma despedida digna pra nós. Acho que não vai matar ninguém, né?”

Então calçou o par de tênis, tão velho e batido, que já tinha a tantos anos, e saiu. Era a centésima vez que tentava jogá-los fora.


Tyler Bazz

2 comentários:

Varotto disse...

Keep walking.

Bonaldi disse...

Sooooo Doug Funnie! o/