quarta-feira, 13 de julho de 2011

Inventário.

Já não chorava há dias, até que encontrou sem querer, escondidas propositalmente entre seus livros favoritos, lágrimas. Espalhadas nas páginas do caderno que usava para anotar e escrever as coisas dela. Coisas dela, era tudo o que escrevia desde o começo. Abria o caderninho e escrevia um texto bonito, uma carta em um momento de saudade, quando passavam dois ou três dias sem trocarem olhares, uns versinhos que encaixaria um dia em uma declaração de amor.

Nunca teve pressa. Teria para sempre para dar os textos a ela. Mostrar, na verdade, pois já eram dela. Todas as vírgulas. E entre as páginas encontrou notas sobre filmes que viram juntos, e viagens que sonharam em planejar, e o comprovante de um presente que havia comprado com meses de antecedência e nunca teve a chance de entregar. Um cartão que nunca pôde escrever. E não conseguia se lembrar de alguma vez já ter visto tantas lágrimas, quando encontrou a escrita dela ali, metida entre os textos, falando de amor e saudade.

Pensou em vender o presente, poderia usar o dinheiro para pagar a conta da tv. Pensou em publicar o caderno, tentando se lembrar da última vez que havia visto cartas de amor tão ridículas em páginas de livro. Pensou nela e em como ela sorria. E amaldiçoou o mundo e a si mesmo, pois havia sempre se esforçado para que tudo em sua vida não dependesse de ninguém que não fosse ele próprio, e na única vez em que deu espaço a algo que não dependia só dele -não que houvesse opção-, viu tudo ir embora sem que pudesse fazer nada.

Decidiu guardar o caderno. Para sempre, e dessa vez entre os livros favoritos dela. Continuaria escrevendo poesias e cartas de amor e recados de saudade. Só adicionou, na última página, um pedido a quem um dia encontrasse aquelas folhas: quando morresse, queria ser enterrado, com o caderno, junto dela.


Tyler Bazz

5 comentários:

Natalia Máximo disse...

Tenho que passar um tempo sem ler seus textos. Não por estarem ruins, muito longe disso, mas porque estão me dando vontade de chorar :(

Lari Reis disse...

E se eu disser que eu tenho um caderno desses?

Kika® disse...

Sr. Tyler, tá foda.

Anônimo disse...

Eu escreveria coleções de livros pela Kika (no comentário acima)...

Teena in Toronto disse...

Happy Simcoe Day ... happy blogoversary :)