sábado, 16 de janeiro de 2010

Ela e a música e as músicas dela.

No terceiro dia após o fim, deitado no escuro, com a segunda garrafa de vinho branco já pela metade na mão, ele ouvia música. Mas só as músicas dela, aquelas que ele associou a ela em um momento qualquer, aquelas que o faziam lembrar dela, às vezes sem motivo algum. Ouviu o alerta de sms do celular; sabia que era ela, correu até o aparelho, era ela. "Tava ouvindo uma musica e lembrei de vc. vc ta bem?", dizia a mensagem.

Era mentira. Ela não tinha ouvido nada, mas quis fazê-lo sorrir uma última vez.


Tyler Bazz

13 comentários:

Mari Hauer disse...

Ah, que lindo!

Eu invento umas coisas dessas também... tinha uma época que eu inventava que eu tinha sonhado com as pessoas... Mas parei. Agora só falo quando realmente é verdade.

Na verdade, parei de querer fazer eles sorrirem uma última vez. Triste.

Beijos,

disse...

Você ta todo sentimental e amoroso, nao? =)
Gosto muito!
;)

Bia disse...

Maldade dela. Melhor seria ter ficado em silêncio.

Ps: Fuçando blogs acabei caindo aqui e viciei...

Nadia disse...

Você tá doente?

Lindinho... xD

Beijos

Larissa Bohnenberger disse...

Mas tu voltou romântico desta viagem, heim?

Bjs!

Tyler Bazz disse...

Vcs estão sendo injustas, moças. Eu sempre escrevi coisas assim. Essa viagem, por incrível que pareça, nao mudou nada...


;)

Rob Gordon disse...

Existem pessoas que sonham em ser famosas.

Mal sabem elas que muito melhor que ser famoso é ser anônimo num texto seu.

disse...

Adorei ;-)

Daniel Senos disse...

Essas músicas associadas a amada são as piores coisas quando se quer esquecer... Parabéns pelo texto!

Bel Lucyk disse...

Isso é que é sintonia =)

Luís Nascimento disse...

www.emma-actividades-musicais.pt

Marina disse...

Pior que associar uma pessoa a uma música é ela estar em todas as músicas. Tudo faz lembrar; uma palavra, um trecho, um instrumento, uma nota musical...

Bonaldi disse...

Been there, done that. Both sides.

Triste.