sábado, 18 de julho de 2009

Fazendo Errado.

Não queria outra noite de sábado sozinho, bêbado e triste, resolvi sair. Precisava ver gente nova, desprezível, com quem eu nunca falaria, gente pra ser observada e detestada. Sem precisar pensar muito, fui ao shopping.

Estava lotado, cheio de pré-adolescentes fingindo ser adultos, adultos fingindo ser mais jovens, velhos fingindo que gostavam de estar ali. Minha cara mal-humorada - ou minha camiseta? - chamava mais atenção do que eu gostaria.

Perdi uma meia hora sentado na praça de alimentação, comendo um lanche e maldizendo umas crianças que não paravam de correr e gritar; malditos, na verdade, os pais. Passei por uma livraria, e na outra acabei gastando o que não podia - dois livros na sacola e nada na carteira. Mesmo sem dinheiro, não consegui vencer o cheiro de pipoca que vinha do cinema.

Cheguei lá e tinha mais que no resto do shopping. Fiquei sem graça quando vi, numa das filas, uma menina conhecida, com umas amigas, (eu gosto dela e ela sabe disso, e eu quero sumir cada vez que a vejo), (ou, ela nem lembra direito quem eu sou), e fui rápido para a fila da pipoca. Me distraí com os cartazes dos filmes e, quando vi, ela (ela!) estava parada ao meu lado, sorrindo:

"Oi!", linda, linda, linda!

"Oi...", respondi, quase sem voz.

"Vai ver que filme?"

"Nenhum", ela (ela!) me olhou sem entender. "Vim só comprar pipoca", expliquei.

"Ah, tá...", ainda me olhava um pouco estranho. Vi as amigas dela começarem a andar, olhando para nós.

"A fila tá andando", avisei.

"Ah, é, então eu já vou", ela (ela!) sorriu de novo antes de ir. "Até outro dia", linda, linda, linda, linda, linda!

Fiquei com uma sensação ruim pelo resto da vida.


Tyler Bazz

12 comentários:

Marina disse...

Bem feito, quem manda dizer que a fila estava andando? Podia muito bem fingir que não viu.

Que coisa, parece bem o tipo de coisa que eu faço.

Marcello disse...

Eu não gosto de ler determinados textos seus porque eu me identifico com eles AUHUAHAUHUAHAU

Ó, vida...

MaxReinert disse...

Tss...tss...tss...
Esse guri precisa aprender de uma vez por todas a dar umas cantadas... se até eu aprendi e arranjei uma criatura, qualquer um consegue!
Acredite.... QUALQUER UM!!!!

Jullia A. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sam disse...

Nem bronca no dito cujo eu poderia dar, porque tenho certeza que faria o mesmo que ele...

Charlie Dalton disse...

Que legal esse seu texto. Você abre seu coração sem medo algum, de uma forma muito tranquila.

Eu fiquei imaginando uma cena de filme, cujo protagonista era Tyler, um garoto de São Paulo, que era um pouco inseguro quanto a se ela (sim, ela!) realmente o amava (ou pelo menos se lembrava dele!).

#love_is_in_the_air xD

Gabriel Leite disse...

Pra quê avisar que a fila tava andando?

Siguilita disse...

achei triste... fila de merda heim que nao parou no tempo e no espaço... bj

Maringa disse...

É rapaz, ja dizia o ditado - "a fila anda"... mas você poderia ter fingido que não viu, e/ou passar uma cantada. Só não entendi o seguinte: por que "sensação ruim pro resto da vida"? A vida não acabou ainda, e você não sabe se ela ta no fim! Ta em tempo de arriscar mais com as gurias lindas, lindas, lindas.

Abração o/

Fernando R. Silva disse...

Putz, agora não teve como não lembrar do Tobey Maguire, na primeira sequencia de Homem-Aranha, olhando sem resposta pra Kirsten Dunst quando ela falou dos seus olhos azuis.

Francamente, ainda tenho algumas sensações ruins assim até hoje. Culpa do meu negro passado nerd.

Abraços!

Fernando R. Silva disse...

Ah, quase esqueci de replicar aqui a uma frase genial, a mellhor do texto:

"Precisava ver gente nova, desprezível, com quem eu nunca falaria, gente pra ser observada e detestada. Sem precisar pensar muito, fui ao shopping."

Na boa, merece uma tuítada. :)

Fernando R. Silva disse...

Tuítei. Mas com adaptaçõs, do contrário, não caberia em 140 caracteres.