quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Café de Velório

Eu estava na sala do velório antes mesmo de o cafezinho chegar. O rapaz da funerária entrou em silêncio com a garrafa térmica, ficou me olhando um tempo, e saiu, tropeçando num dos bancos e fazendo uma barulheira bem desagradável.

Logo as pessoas começaram a chegar; muito silêncio e algumas lágrimas. A maioria delas eu conhecia, outras precisei de um tempo para lembrar quem era, e outras eu tenho certeza que nunca vi na vida. Fiquei na minha e procurei ser gentil com quem se aproximava, embora fosse uma situação bastante nova para mim.

As conversas ouvidas num velório são sempre engraçadas. Algumas se focam no morto, é verdade, e aí ouvimos as clássicas "vai fazer tanta falta", ou "mas ele era tão novinho", e a batidíssima "fazer o quê, né. Deus quis assim...", todas sempre seguidas de um suspiro, ou acompanhadas de uma enxugada - às vezes enxurrada - de lágrimas. Mas outras tomam caminhos totalmente diferentes, e você fica sabendo de tudo que tenha perdido caso tenha passado dois dias no hospital: a classificação do campeonato, a crise econômica, aquela prima de não-sei-quem que está 'super gorda'.

Na hora do almoço, quando a família do morto compra algo para comer, fala-se do cheiro, do sabor, da cor, da origem e do preço da comida. E na tarde regada a café você ouve a algazarra das crianças, o cansaço dos presentes, o calor das duas da tarde, e dois primos de terceiro grau comentando como a priminha que eles não viam há anos e que acabou de perder o pai está ficando 'gostosinha'.

Conforme a tarde passou, o volume de pessoas e das conversas foi diminuindo. Algumas pessoas se deram conta e caíram no choro; outras foram embora, não querendo participar da última parte. Eu, muito a contra-gosto, tive que ficar até o fim. Chegou mais gente e a procissão até a sepultura parecia uma sinfonia de choros; uns verdadeiramente tristes, outros emocionados, outros convencionais.

Fui enterrado às cinco da tarde, morrendo - he he - de vontade de tomar aquele café.


Tyler Bazz

18 comentários:

taiscarla disse...

wow... mesmo!


"fazer o quê, né. Deus quis assim..."

Marcello disse...

Mancada não ter tomado o café :///

Lady Dari disse...

Estás bem?

topreocupada!

lol

Pâmela disse...

A crônica é muito boa! Mais desde o começo eu já saquei que era a visão do morto.

Anne O. disse...

Morreu?????

poxa vida, o que será de nós sem você nesse mundo tão cruel, ó vida...

Sem o seu blog!?.. Parei viu...

Stephanie disse...

esse aí vai tomar café no além com Brás Cubas, hahahaha

beijo

Maria disse...

Sorte que já tava morto, né?

Mas como a Pâmela, eu também saquei essa :D

beijoss

Perci Carvalho disse...

que triste... era um homem tao bom...






odeio velórios. fui a 5 deles ao longo da vida. as duas avós, a mãe da melhor amiga, o professor favorito... e o pior de todos... o melhor amigo.

odeio velórios. odeio cada uma dessas 'fases' do velório. odeio o cheiro do café do velório. odeio ver as pessoas que não ligavam a mínima pro cara q morreu estarem lá dando uma de oohh vai fazer tanta faaalta...

e de tudo, o que eu mais odeio é o cortejo até o túmulo. sempre tem uma véia pra puxar 'seguraaa na maaao de Deeeeeus' ÓDIO. pq não cantam a música favorita do cara?? era pra ser um forma de homenagem n era nao?!?!? grrr


Ok, Tyler. Vou parar de expressar meu ódio aqui. hihii

Mas fique avisado, se por algum motivo, vc estiver presente no meu velório, NAO DEIXE CANTAREM SEGURA NA MAO DE DEUS!!Que Cantem Cazuza! e Los Hermanos!


bjomeliga!

Gabriel Leite disse...

"embora fosse uma situação bastante nova para mim"

Matei a charada no segundo parágrafo! rs

Mas ficou bacana o texto! Tipo Desperate Housewives ou Memórias Póstumas de BRás Cubas.

Larissa Bohnenberger disse...

É... 'vida de morto' não é fácil!

Marcio Sarge disse...

Frases de velório deve rivalizar com frases de caminhão, de tão cretinas rs.

Até.

Sabina a comlombina disse...

Adorei o seu blog
Está mto lindo

;D

MaxReinert disse...

Adorei o seu blog
Está mto lindo [2]

hauhauhauhauahah

Se não tinha morrido até agora, pronto!

hauhauhuauahahua

Velório é sempre um barato... depois que passa o "choque" pela morte de alguém (para os vivos, claro!) a gente só se lembra das outras partes... as piadas, inclusive!

Pâmela disse...

Morreu?
HAHAHAHAHA

O Santo Forte disse...

Muito massa essa cronica um abraço

paulonando disse...

Mandou bem!!!

Tyler Bazz disse...

Todo mundo sacando qual é a do texto logo de inicio. Vocês andam muito espertinhos! Preciso de leitores burros.....

Fernando Ramos disse...

Dá-lhe Tyler Brás!

(ok, ok. Juro que não faço mais trocadilhos infames como este.)