domingo, 6 de julho de 2008

Imperfeições.

Umberto era um cara que gostava das imperfeições, desde sempre. Já no nome tinha uma: sua mãe vivia dizendo que faltava o h que o homem do cartório não pôs. Umberto cresceu imperfeito e foi caçando imperfeições; umas ele consertava, outras ele queria consertar, e outras ele nem ligava, só admirava.

Sim, admirava. Porque o Umberto dizia que só existe o belo porque existe o feio, só existe o certo porque existe o errado, e assim por diante. Em tudo o Umberto via "problema" e apontava sem dó. Aquele poeta que fez um verso com uma sílaba a mais e imperfeiçoou o poema; o pintor que fez aquele quadro tão belo, mesmo não usando o melhor tom da cor; e até mesmo a nota que o guitarrista do Pink Floyd tocou uma fração de segundo antes da hora naquele disco menos famoso. Todas obras consideradas perfeitas, que só o são pelas imperfeições que possuem.

Na escola, na faculdade, no trabalho, nos amigos e nos amores, sua vida foi sempre cheia de imperfeições. O Umberto conheceu uma mulher fantástica: linda, inteligente, independente, fiel, tudo; e tudo isso chamou a atenção dele, mas o que fez ele se apaixonar foram as coisinhas imperfeitas ela tinha. Casaram, tiveram filhos imperfeitos; Umberto foi sempre um ótimo pai. Ótimo, mas nunca perfeito.

O coração do Umberto também não era perfeito e resolveu infartar. Não uma vez, nem duas, mas três. O marca-passo que implantaram era imperfeito também! Só funcionava direito se o Umberto tomasse remédios.

O quarto ataque do coração veio e a situação do Umberto ficou complicada. A família toda estava reunida no quarto do hospital, em volta da cama, quando o médico entrou com aquela cara de médico-que-vai-dar-a-notícia-ruim, e falou diretamente com o Umberto:

"A situação do senhor é bastante grave."

"Sim", o Umberto respondeu, calmo.

"Nós já fizemos todos os exames possíveis..."

"Entendo."

"Vamos tentar um transplante, que é nossa última alternativa. Mas devo dizer que suas chances são muito pequenas."

"Perfeito." E então o Umberto, com um sorriso tão calmo, nunca antes visto em seu rosto, morreu.


Tyler Bazz

23 comentários:

Marcello disse...

Ele guardou o "perfeito" pro momento derradeiro... Quando sabia que seria a última coisa a ser dita ;D

Marcio Sarge disse...

Ele foi imperfeito até o fim mesmo, seu maior imperfeição: ter aceitado sem delongas ao que estava errado.

Dragus disse...

Concordo com Umberto.

Só a morte é perfeita.

Stephanie disse...

ele não estava pronto para uma possibilidade de perfeição - foi demais pra ele em uma vida

Gilgomex™ disse...

Post perfeitamente triste...
Interessante, como eu creio que as fotos que vc usa no msn e no Orkut são falsas. Você deve ter uns 47 anos de idade.

Mas tudo bem... Vou fingir que acredito que vc é (infinitamente) mais novo que eu.

PS: sobre a minha filha... não, não deixam. Não é à toa que vou ficar 3 meses longe... heuehuehuehue (risada pra parecer engraçado, mas tou triste com isso)

DIZDIZENDO disse...

Tá vendo q nao sou a única q acha vc muito bom pra tão pouco tempo na vida? E esse Umberto tinha mais é que morrer? Como ele ousa falar mal do Pink Floyd?

Andreia Lichtenstein disse...

Nossa, você escreve bem demais.
Trágico na medida certa.
Sei lá, adoro esse tipo de história, mesmo.

Juliana Carvalho disse...

Eiiiii! Você é bom, é sim. MUIUUUTO BOM! Parabéns...
Adorei o texto, perfeito...ops, imperfeito, pow o cara morreu né - tá tá, essa é a perfeição!E a imperção..Ah foi só pra fazer charme ^^.
[ah e salve a os opostas da dialética hein \o/]

Larissa Bohnenberger disse...

A vida é feita de imperfeições, mas a morte... ah, essa é perfeita!
Adorei!
Bjs!

@nderson Pinheiro disse...

Nimguem , Nada é perfeito!OU é?
=D
muito bom o texto...
o blog ta masa..
bem feito boa sorte com ele!
=D

>>RÁDIO BAGACEIRA<<
http://radiobagaceira.blogspot.com/

An@Lu disse...

tyler, adorei o texto. e a tua temática das imperfeições acabou por me inspirar a escrever sobre esse assunto, numa perspectiva semelhante. espero que não considere plágio e que goste:

http://oraeca.blogspot.com/2008/07/obsesso.html

taty disse...

Caramba neim m faliih ¬¬' Ain eu sou nv nesse negocio d blospot tem como vc m ajudaar ?

Tatiane Cassiano disse...

aff posteei errado o comentarioo aposkpaok todaa zéé´rs

Saulo disse...

Que engraçado, viveu de imperfeições e encerrou sua vida com um 'perfeito'. Concordo com Umberto. Creio que exista a perfeição, mas algo só é perfeito quando seus defeitos são perfeitos. Ou melhor, suas imperfeições. Gosto dess tipo de texto, muito bom.

luciana disse...

lembrei de Wilde quando fala sobre beleza.

adorei.

MaxReinert disse...

Ahhhh... que sacanagem... nem tenho o que falar aqui!

Se eu disser que o post está perfeito caio numa contradição do cão!...

PS: Preciso dizer que prefiro as coisas imperfeitas ou impróprias?

Hélder disse...

As imperfeições de Umberto tornam o texto perfeito!

_

É verdade...Deram idéia de abrir uma sala de bate-papo. Tem que arriscar, né?

Abç!

JblN ;) disse...

Seria perfeito se rolasse. Mas se fosse perfeito, não seria Umberto.

descanse em paz, Ummberto!

Rejane Oliveira disse...

Olá Tyler,

Gostei do seu blog e do seu senso de humor... para o Umberto que vivia imperfeitamente consciente de sua imperfeição, só lhe restava um "Grand Finale"...

É isso ai...

bjos

danny disse...

Mas menino, que intimidade que você tem com as palavras! Uma calma e simplicidade que tornam tua escrita tão leve, assim, de ler.
(Eu sou péssima com comentários úteis, só queria mesmo registrar o elogio.)

:)

Dedinhos Nervosos disse...

Umberto é o meu herói. Quem me dera ter 1% desse modo de pensar!
ahahha
Bjos!

FERNANDO disse...

Muito bom, hein, Tyler!

Excelente releitura daquilo que sempre dizem: se é perfeito, boa coisa não pode ser. Senão sempre dizem, deveriam sempre dizer, porque, de perfeito, só Jesus Cristo. E Este, foi quem nos criou assim, imperfeitos, para que...

- Fernando, pára de viajar, cara!
- Tá bem, tá bem. gostei, Tyler, gostei!

Abraços!

Favoretto, Thais. disse...

Umberto poderia ser definido como a dose correta de um ser humano imperfeito acometido por todos os sentimentos que fazem da vida uma obra "perfeita".
Imperfeições me atraem de uma forma anormal e estranha.
xoxo,