terça-feira, 15 de abril de 2008

Minorias.

Entrei naqule vagão do metrô achando que conseguiria facilmente. Mochila nas costas, câmera em punho, idéia na cabeça. Aquele concurso de fotografia, se não estava no papo, estava quase lá. Prêmio em dinheiro; muito, muito interessante.

Era simples: tirar uma foto, dentro de um vagão de metrô, e nessa fotografia apareceriam, fácil, vários representantes de minorias da sociedade. Todos ali, enclausurados, presos na mesma gaiola, por pelo menos uns segundos. Entre uma estação e outra, as diferenças não chegam a se aceitar, mas elas se suportam, pelo menos.

Olhei pelo vagão e meus olhos brilharam. Uns pretos, uma mulher masculina, um nordestino e um travesti. Quando ia bater a foto, senti falta de algo faltando. Não, nenhum deficiente por ali. Esperei a próxima estação; nela, um homem que não tinha uns três dedos da mão direita embarcou, mas meu travesti se foi e nenhum outro veio para seu lugar. Na estação seguinte, decidido, corri e troquei de vagão.

Nada de novo. Como podia, naquele horário, um vagão sem nenhum afro-descendente dentro? Não desisti. Mais uma estação, troquei de vagão: faltava um veado. Outra: nada de mulheres inseridas no mercado de trabalho!

Fui mudando de vagão a cada parada do trem. Minha sorte pareceu melhorar: uma estação antes da invasão nipônica que ocorreria na Liberdade, vislumbrei com um sorriso a cena perfeita. Naquele simples vagão de metrô, numa rápida olhada, pude ver duas executivas - mas uma parecia ser secretária, isso sim -, um travesti, uma bichinha, um gay não-caracterizado (como dizia um conhecido meu) - não me perguntem como descobri sua sexualidade-, um corcunda, um anão com o cabelo descolorido, um banguela sorridente, dois casais de velhos, um alejado, um deficiente físico e um portador de necessidades especiais, um ceguinho, um nerd, um padeiro, três pretos, quatro bolivianos, nove asiáticos, e, por fim, doze negros. Tenho certeza que havia ali também um poliglota, mas não posso provar.

Ergui a câmera, triunfante, pronto para bater a foto premiada, aquela que me garantiria o primeiro lugar, o dinheiro, os quinze minutos de fama. Foi quando senti o silêncio do vagão, e na mesma hora perdi as esperanças. Nenhum, nenhunzinho bêbado, cantando em alto e bom som e incomodando todos os outros passageiros. Uma foto daquelas, com aqueles personagens, mas sem um bebum, nunca convenceria. A impressão seria de uma foto forjada, cheia de atores, modelos-manequins-de-figuração. Faltava naturalidade.

Desembarquei na estação seguinte, desolado. Saí da estação e nem me importei em fugir da garoa paulistana. Naquele momento, eu, branco, jovem, classe média, assalariado, católico, esportista e estudante, tinha uma certeza: sou minoria.


Tyler Bazz

32 comentários:

.:: Danilo ::. disse...

gostei do blog...inteterssante sua opinião sobre "minoria" e tal
parabens

Vinii disse...

Nuhhhhhhhhhh, é minoria mesmo! ótimo texto, o autor deve foi sorte de não ter cido espancando nesse vagão..

CamilaQuintela :) disse...

caraaaamba, muito massa o teu blog garoto. Bem criativo!
beeijo ;*

Petter disse...

E onde você quer chegar com o seu texto?
Minorias existem e sim, nós conheçemos todas elas :D
Comentários cretinos os daí de cima hein ¬¬ kkk
Sucesso com o blog, abraços!

Banana disse...

entrou pros meu favoritos. parabéns!

taiscarla disse...

wow, Tyler!!!
aposto que não foi vc que escreveu
esse texto...
quem foi?
a Bárbar... lógico!

hahahahaha

mto booomm!!

Fernando disse...

Muito bom, Tyler! Muito bom! Kkkkkkk.

O primeiro final meio dramático que leio no blog. Mas um bom desfecho. E o desenvolvimento foi muito bom!

Engraçado demais um vagão com aquela diversidade toda. Mas concordo que seria uma foto forjada. Acho que só a foto de um bêbado já valia a pena.

Já pensou em pedir pra outra pessoa tirar a foto? daí você e ela esperava aparecer um vagão tão bom quanto aquele e enquanto isso você ia tomando umas. Daí, no momento exato da foto, você faria a imitação já tradicional do jack Sparrow. Pronto! Não ia nem classificar. Kkkkkkkkkkkkkkk.

Abraços!

Fernando disse...

Tá, sacaneei. Não seria campeão. Mas que a foto seria ótima, ah, seria. Hehehe.

Marina! disse...

esportista?

Bruno disse...

Agora VOCÊ me deixou com raiva, Tyler!!! Faz tempo eu quero escrever sobre isso.

Veja a situação: sou branco, classe média, católico, heterossexual, magro... Quem é que vai me defender, meudeusdocéu?

o/

Míope disse...

É...quando a esmola é grande o santo desconfia! Esse vagão com tanta gente diferente pareceria algo forjado mesmo.
Ele poderia ter fotografado qualquer vagão. Porque analisado mais de perto,nunca seria igual.

Gostei do texto!
Bem original.

Abç.

An@Lu disse...

Amei o texto. Em sao paulo acredito que ser "normal" seja minoria!!
Mas faltou também a mãe com criança no colo pedindo esmola. é triste, mas infelizmente é uma realidade!

Cisco disse...

asooksakopaspkoas gostei da idéia dos comentarios...

excelente texto

parabéns...

http://borarir.blogspot.com

Tom disse...

Bom post e um
bom blog!
Valeu!

www.indicacao.wordpress.com

carla m. disse...

gostei de duas coisas:

1. você não ficou usando os termos politicamente corretos;

2. você tomou consciência de que toda opinião dominante é minoria.

E além de tudo teve bom humor.

Major Luigi Greaser disse...

É bom o texto, vc escreve bem. Olha isso dá minoria, é engrado nos classificarmos socialmente, né? É um susto

Nataly Callai. disse...

[da comunidade]

Viva a diversidade!
Gostei do "um padeiro" haha

Bom texto!

Katia disse...

Todos iguais, mas uns mais que os outros.
Tão desiguais.

Ser diferente é a moda. E a moda é sempre igual.

Unlucky disse...

ow.. estava faltando um emo!

ahahaha

mas a foto teria sido quase perfeita. onde muitos leigos deixariam passar esses dois pequenos detalhes!

Apenas um... Somos apenas um em 6 bilhões de seres humanos.
Então:
- Relaxa e Goza! ;)

Gilgomex™ disse...

é, não tem jeito...

a maioria de nós somos minorias.

Gilgomex™ disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gilgomex™ disse...

acho que houve um erro de concordância no meu comentário anterior...

mas deixa pra lá...

Carol disse...

e enquanto o café esfria, fico aqui a pensar se nossa minoria também é minoria na alma.

Marcello disse...

[i]Já pensou em pedir pra outra pessoa tirar a foto? daí você e ela esperava aparecer um vagão tão bom quanto aquele e enquanto isso você ia tomando umas. Daí, no momento exato da foto, você faria a imitação já tradicional do jack Sparrow. Pronto! Não ia nem classificar. [/i]


AHUAHUAHUAHUHUAHUAHUAHUAUHUAHUAHHAU

Que mancada... seria uma foto ensangüentada :x


Cara... esse post já entrou FÁCIL pros meus favoritos do blog... só perde pros da Marcela :DDD

SAMANTHA ABREU disse...

acho que somos, Tyler!

um beijO!

Lipe Moon-Wolf disse...

é tyler
verdade,mas nesse brasil que vivemos,todo mundo é minoria,jáq todo mundo é diferente

du_Santus disse...

caralhoooo
pois é... mas acho q você foi muito exigente também... se formos analisar a fundo, existem muito mais minorias do que maiorias... enfim.... mas parabéns pelo esforço...

abçs

Eduardo Magalhães disse...

Intrigantemente Engraçada certa passagem: Um nordestino menoria!?!?!?!? Será que eu menoria quando visitava o sudeste? rsrsrsr
sei lá....
saindo intrigado da minha primeira visita ao seu blog!
ihhihihihhi

Rob Gordon disse...

Este post é um prato cheio (sem trocadilhos) pro Sherman.

Dedinhos Nervosos disse...

Achei muito engraçado esse texto pq lembrei de um cara que conheci num bar em SP. Eu brinquei falando que ra normal. Ele disse: "vc é bem minoria. Muda para cá pra ver só." Será que uma cidade tão "mesclada" muda a gente?

Stephanie disse...

se você tivesse feito essa foto, pareceria um daqueles anúncios antigos da Benetton que juntavam pessoas estéticamente muito diferentes pra exaltar a diversidade hahahaha

esse negócio de minoria é muito curioso, varia tanto...

ótimo texto, Tyler =)

Carlos Nascimento disse...

minoria, maioria, normal, anormal... desconfio desses conceitos... parafraseando o U2: "Tudo o que você sabe é errado" (ou o que todos nós sabemos...). Parabéns pelo blog. Gostei de muitas coisas que li. Abraços.

Carlos.

www.coracaoevisceras.blogspot.com